SBICafé
Biblioteca do Café

Determinação do teor de umidade do café verde beneficiado: comparação entre três metodologias

Show simple item record

dc.contributor.author Cabrera, Héctor Abel Palacios pt_BR
dc.contributor.author Taniwaki, Marta Hiromi pt_BR
dc.contributor.other Consórcio Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento do Café pt_BR
dc.date 2003-08-29 11:15:23.357 pt_BR
dc.date.accessioned 2015-01-14T13:44:24Z
dc.date.available 2015-01-14T13:44:24Z
dc.date.issued 2003 pt_BR
dc.identifier.citation Palacios, Héctor; Taniwaki, Marta H. Determinação do teor de umidade do café verde beneficiado: comparação entre três metodologias. In: Simpósio de Pesquisa dos Cafés do Brasil e Workshop Internacional de Café & Saúde, (3. : 2003 : Porto Seguro). Anais. Brasília, DF : Embrapa Café, 2003. (447p.), p. 168-169. pt_BR
dc.identifier.other 166689_Art152 pt_BR
dc.identifier.uri http://www.sbicafe.ufv.br/handle/123456789/1576
dc.description Trabalho apresentado no Simpósio de Pesquisa dos Cafés do Brasil (3. : 2003 : Porto Seguro, BA). Resumos. Brasília, D.F. : Embrapa Café, 2003. pt_BR
dc.description.abstract O objetivo principal deste trabalho foi determinar a umidade do café crú beneficiado em base úmida, utilizando diferentes métodos. Para tal, foram testadas três metodologias na faixa de 9 a 17% (base úmida): (i) estufa com ventilação forçada (método ISO); (ii) estufa com ventilação forçada (método do Ministério de Agricultura do Brasil); e (iii) método de capacitância, utilizando o medidor portátil digital Gehaka G 600. O método da estufa com ventilação forçada por ser um método oficial da Norma ISO (Norm International ISO 1447) para café cru, foi utilizado como padrão para comparação com as outras duas metodologias. Todos os resultados foram analisados pelo teste de Dunnet ao nível de 1 e 5% de probabilidade. Os resultados indicaram que os métodos quando comparados ao método ISO, apresentaram valores menores de umidade, exceto, quando comparou-se os valores obtidos pelo Gehaka na faixa entre 11,8 a 14,2%. O método do Ministério de agricultura (estufa a vácuo) foi o mais próximo ao padrão com uma diferença de 1% aproximadamente. Os resultados obtidos no Gehaka superestimou o valor de umidade na faixa de 9-11% B.U. Por outro lado, na faixa entre 12,45 e 16,62% B.U foi o que apresentou maior similaridade com o método da ISO. Os dois métodos (Ministério de Agricultura e eletrônico), tiveram diferenças estatisticamente significativas, quando comparados ao método padrão ISO, exceto o eletrônico na faixa de umidade 12,8-14,2%. pt_BR
dc.description.sponsorship Consórcio Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento do Café pt_BR
dc.language.iso pt_BR pt_BR
dc.subject Café Teor de umidade pt_BR
dc.subject.classification Cafeicultura::Colheita, pós-colheita e armazenamento pt_BR
dc.title Determinação do teor de umidade do café verde beneficiado: comparação entre três metodologias pt_BR
dc.type Artigo pt_BR

Files in this item

Files Size Format View

There are no files associated with this item.

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record

Search DSpace


Sobre o SBICafé

Browse

My Account