SBICafé
Biblioteca do Café

Durabilidade da resistência à ferrugem de cafeeiros portadores do gene SH3

Show simple item record

dc.contributor.author Braghini, Masako Toma
dc.contributor.author Fazuoli, Luiz Carlos
dc.contributor.author Guerreiro Filho, Oliveiro
dc.contributor.author Mistro, Júlio César
dc.contributor.author Eskes, Albertus Bernardus
dc.date.accessioned 2015-07-02T18:27:05Z
dc.date.available 2015-07-02T18:27:05Z
dc.date.issued 2015
dc.identifier.citation BRAGHINI, M. T. et al. Durabilidade da resistência à ferrugem de cafeeiros portadores do gene SH3. In: SIMPÓSIO DE PESQUISA DOS CAFÉS DO BRASIL, 9., 2015, Curitiba. Anais... Brasília, DF: Embrapa Café, 2015, 4 p. pt_BR
dc.identifier.uri http://www.sbicafe.ufv.br:80/handle/123456789/3653
dc.description Trabalho apresentado no IX Simpósio de Pesquisa dos Cafés do Brasil pt_BR
dc.description.abstract Antes da constatação da ferrugem alaranjada do cafeeiro (Hemileia vastatrix Berk. et Br.) no Brasil, o Instituto Agronômico de Campinas (IAC/APTA) introduziu, em 1953 e 1965, cafeeiros portadores de fatores genéticos de resistência vertical SH1, SH2, SH3 e SH4 oriundos da Índia e da África. Com o surgimento da raça II (v5) em 1970, as cultivares plantadas na ocasião, Bourbon, Mundo Novo e Catuaí portadoras do alelo SH5, mostraram-se suscetíveis à doença. A partir daquele ano, realizaram-se muitos cruzamentos entre os materiais indianos, africanos e brasileiros com o intuito de desenvolver cultivares resistentes à ferrugem. Os híbridos obtidos de porte alto e os de porte baixo foram plantados no município de Campinas, em 1972. Após alguns anos, surgiram novas raças fisiológicas com genes de virulência capazes de anular a resistência que os alelos SH1, SH2 e SH4 proporcionavam aos cafeeiros com estes genes. A partir de 1992, iniciaram-se as avaliações em relação à resistência destes materiais genéticos. O presente trabalho objetivou conhecer a evolução da doença e também caracterizar a constituição genética dos cafeeiros híbridos F1 desses experimentos. Constatou-se que, após 45 anos do surgimento da doença no Brasil, o alelo SH3 é o único gene ainda não superado pelo fungo nesses materiais. Dentre as introduções, as seleções BA 21 (IAC1107) e BA 10 (IAC 1110) da Índia, ainda continuam resistentes às raças de ferrugem presentes no Brasil. As progênies IAC 1110-8-5, IAC 1110-10 e IAC 1110-10-1 comportaram-se como homozigotas (SH3SH3) e as progênies IAC 1107-4, IAC 1107-4-1 e IAC 1107-5-6 como heterozigotas (SH3sh3) para essa característica. Atualmente, já foram desenvolvidas no país, cultivares e linhagens altamente produtivas portadoras do alelo SH3 e imunes às raças de ferrugem presentes nas plantações de café e apresentando baixa porcentagem de grãos do tipo concha. No IAC, está na fase final, a obtenção de duas cultivares de café (Catuaí SH3SH3 e Mundo Novo SH3SH3), portadoras do gene SH3 em homozigose. pt_BR
dc.format 4 páginas pt_BR
dc.language.iso pt_BR pt_BR
dc.publisher Embrapa Café pt_BR
dc.subject Hemileia vastatrix pt_BR
dc.subject Resistência durável pt_BR
dc.subject.classification Cafeicultura::Genética e melhoramento pt_BR
dc.title Durabilidade da resistência à ferrugem de cafeeiros portadores do gene SH3 pt_BR
dc.title.alternative Durable resistance to coffee leaf rust provided by the SH3 gene pt_BR
dc.type Trabalho de Evento Científico pt_BR

Files in this item

Files Size Format View
4_IX-SPCB-2015.pdf 174.4Kb application/pdf View/Open ou Pre-visualizar

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record

Search DSpace


Sobre o SBICafé

Browse

My Account